Carnaval é coisa de brasileiro, mas você sabe a origem?

Do pagão ao profano: um passeio pela origem do carnaval através do tempo

A celebração do carnaval é uma expressão das diferentes heranças que compõem o tecido cultural do Brasil.

Anúncios

origem do carnaval
Fonte: Freepik

O carnaval: sinônimo de alegria, folia, cores e muito ritmo que invade as ruas do Brasil. Uma festa tão nossa, que parece ter nascido junto com o país. Mas será que a origem do carnaval é tão simples assim?

Embora seja verdade que o carnaval brasileiro tenha características únicas, suas raízes nos levam a uma viagem no tempo. Vamos cruzar oceanos e adentrar diferentes culturas. Então, fique até o final e prepare-se para descobrir a origem do carnaval e como se transformou no que conhecemos hoje.

Carnaval na antiguidade

A origem do carnaval remonta à antiguidade, em que era celebrado de diversas formas, em diferentes culturas e épocas. Assim, as primeiras celebrações carnavalescas datam de mais de 5.000 anos atrás, na Mesopotâmia, onde as pessoas realizavam festivais em homenagem à deusa Ishtar, associada à fertilidade e à primavera.

Já na Grécia Antiga, as celebrações em homenagem ao deus Dionísio, deus do vinho, eram caracterizadas por procissões, música, dança e, claro, consumo de vinho. No Egito Antigo, as festas em homenagem ao deus Osíris também tinham características carnavalescas.

Já em Roma, as Saturnálias, em homenagem ao deus Saturno, representavam um período de inversão social. Ou seja, as pessoas escravizadas podiam ter um breve momento de liberdade e igualdade.

Anúncios

Em suma, o carnaval na antiguidade era um momento em que as sociedades se entregavam a expressões festivas e teatrais, desafiando temporariamente as normas sociais. Funcionava mais como uma válvula de escape para as tensões da vida cotidiana.

Carnaval e a Igreja Católica

A relação entre a Igreja Católica e o carnaval é complexa e marcada por momentos de permissividade e crítica. Apesar de festivais pagãos terem raízes nele, a Igreja gradualmente incorporou o carnaval ao calendário litúrgico a partir da Idade Média.

Naquele período, as pessoas rigorosamente observavam a quaresma, um período de jejum e reflexão que antecede a Páscoa. O carnaval, então, era considerado como uma última oportunidade de festa e alegria antes da Quaresma.

Inclusive, a palavra carnaval deriva do latim ‘carnis vale’, que significa ‘adeus à carne’, referindo-se ao período de abstinência que se iniciava.

Ao longo dos séculos, o carnaval se distanciou da Igreja Católica e se tornou uma festa mais secular. No entanto, alguns aspectos do carnaval ainda refletem a influência da Igreja, como a utilização de datas litúrgicas para definir o período da festa.

Mas como o carnaval chegou ao Brasil?

A chegada do carnaval ao Brasil é uma narrativa entrelaçada com as camadas complexas da história colonial do país. Assim, no século XVII, os colonizadores portugueses trouxeram suas tradições, incluindo as celebrações carnavalescas que já ocorriam na Europa.

Além disso, as festividades, inicialmente restritas às elites, incluíam bailes, música e máscaras. Com o tempo, o carnaval brasileiro se mesclou com as tradições africanas e indígenas.

Nesse sentido, a presença indígena se reflete em elementos como rituais, danças e instrumentos musicais utilizados durante o carnaval. Máscaras e adereços coloridos, por exemplo, muitas vezes têm inspiração em tradições indígenas.

Sendo assim, algumas regiões do Brasil incorporam manifestações específicas de povos indígenas em seus festejos carnavalescos, destacando a diversidade cultural do país. Por sua vez, a influência africana é profundamente enraizada no carnaval, especialmente através da introdução de ritmos, danças e instrumentos percussivos.

Nesse sentido, as origens africanas da batida dos tambores, do gingado das danças e das expressões corporais marcantes foram preservadas e incorporadas ao carnaval brasileiro de maneiras diversas.

Carnaval brasileiro: uma das maiores festas do mundo

O carnaval no Brasil hoje é uma manifestação cultural de grande magnitude, enraizada na identidade nacional e reconhecida mundialmente por sua exuberância e diversidade.

Dessa forma, a festividade, que ocorre anualmente no período que antecede a Quaresma, transformou-se em um espetáculo que vai além das fronteiras geográficas. Posto que atrai a atenção de pessoas ao redor do mundo.

No Rio de Janeiro e em São Paulo, os desfiles das escolas de samba são pontos altos. Principalmente, devido às agremiações que competem pela excelência artística, desfilando com luxuosas fantasias, carros alegóricos imensos e performances coreografadas.

Vale ressaltar que esses desfiles não apenas celebram a criatividade e habilidade artística, mas também contam histórias que muitas vezes abordam questões sociais e culturais do Brasil.

Além dos desfiles, os blocos de rua também são marcas do carnaval brasileiro contemporâneo. Arrastando milhões de foliões animados, os quais ocupam as ruas das cidades de norte a sul, proporcionando uma atmosfera de festa democrática e inclusiva.

E não poderíamos deixar de citar a diversidade regional. Até porque são diferentes manifestações do carnaval em todo o país. Do frevo em Pernambuco ao maracatu em Recife, passando pelo axé na Bahia, cada região garante uma celebração nacional única e multifacetada.

Apesar da origem do carnaval não ser em terras brasileiras, ele se tornou uma expressão cultural da identidade nacional. Aliás, descubra qual a importância do carnaval para a economia carioca, posto que vai além de uma simples festa. Até breve!

Bárbara Luísa

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo